Entrevista para a Revista Discover Brasil

Date : June 30, 2015

UMA VIAGEM PELO MUNDO DAS POSSIBILIDADES, SUPERAÇÕES E SONHOS

Discover Brazil-Portugal magazine teve a oportunidade de entrevistar a artista brasileira Andrea Auerbach Vieira e saber um pouco mais sobre os preparativos para a sua próxima exposição individual em Toronto. A exposição será na galeria Walnut Contemporary (201 Niagara Street, Toronto, Canada), no dia 4 de julho, das 6 às 9pm.
Discover Brazil-Portugal O que você planeja mostrar para o público de Toronto na exposição da galeria Walnut?
Auerbach Vieira – A exposição #destiny é um relato autobiográfico, em que eu mergulho nas possibilidades do imprevisível. A série é uma sobreposição de imagens, sentimentos e projeções de vivências de sonhos impalpáveis, de sonhos intocáveis. É como a visualização do impossível em camadas sobrepostas, fatos, ideias, medos e, em algum ponto, a falta de controle. Eu acrescento ao trabalho o desconhecido e a vontade de correr riscos, a partir da experimentação de diversos materiais e de uma forte influência do graffiti.
DBP – De que maneira o nome da exposição se relaciona com o que você tem pintado nos últimos anos?
AV – Por se tratar de uma série autobiográfica, essas obras retratam todo o caminho do meu trabalho, o crescimento e as dificuldades até chegar ao que sou hoje. Eu retomei minha carreira há 2 anos e meio, depois de quase 10 anos afastada; então, falar em destino é necessário porque as escolhas nos levam a alguns caminhos, mas eles estão sempre sujeitos a desvios e adaptações.
DBP – Morando há 8 anos e meio no Canadá, o quanto a arte brasileira lhe influencia e de que maneira ela estará presente na exposição #destiny?
AV – A arte brasileira está presente em todas as esferas da minha vida. E eu também costumo dizer que a música brasileira é uma parceira no desenvolvimento dos meus projetos. Mas a influência vem do começo da minha carreira; primeiro do meu mentor, o professor Mario Tabarin, a quem eu devo sempre a parte da pesquisa de materiais, da experimentação e da importância de correr riscos. Mais tarde tive a influência de cores do trabalho da Lissa Sacco e do Bazevian, que, apesar de ter nascido na França, está há muito tempo no Brasil. Atualmente estou sendo invadida pelas criações do Allann Seabra, Rei Quinto e Thiago Thipan.
DBP – Como é a recepção do público canadense ao seu trabalho?
AV – O público em geral, incluindo os críticos de arte, gosta bastante do meu trabalho. Todos sempre comentam das cores fortes – que são uma parte adormecida da cultura brasileira – que eu carrego no meu sangue e que nos meus trabalhos eu coloco para fora. A inclusão de linhas e do graffiti foram muito bem recebidas mundialmente, e serão expostas pela primeira vez ao público de Toronto na galeria Walnut, no próximo dia 4 de julho. Eu espero todos vocês lá.
Serviço:
Onde
 – Walnut Contemporary, 201 Niagara Street, Toronto, ON, M5V 1C9, Canada, 416-271-6599.
Quando  – de 4 a 28 de julho. Abertura: 4 de julho, das 6 às 9pm
Mais informações: